Gay que se casou na Inglaterra em 2005 festeja decisão do STF

Foi com roupa típica de casamento do Paquistão que Adnan Ali chegou à prefeitura de Londres em 21 de dezembro de 2005. Naquele dia – quando entrou em vigor na Inglaterra a lei que permitia a união gay -, o paquistanês Adnan se uniu ao belga Eric Stobbaerts, numa das primeiras uniões de casais gays na Inglaterra. No mesmo dia, o cantor Elton John e outros cerca de 700 casais gays também oficializaram a união.

– No nosso caso, passou até na CNN. Era o casamento de um gay muçulmano! – lembra Adnan, rindo.

Morando no Brasil há cerca de dois anos com o marido, Adnan, de 38 anos, comemora a decisão do Supremo Tribunal Federal de reconhecer a união de casais homossexuais no Brasil. Para ele, essa legalização é parte de um processo de fortalecimento da democracia no país:

– É uma grande conquista. Para mim e Eric, ter podido legalizar nossa união nos deu segurança. Sabemos que somos iguais e que o Estado nos protege. Na Inglaterra, nosso casamento foi uma união civil, reconhecida pela embaixada brasileira lá.

Para Adnan Ali, hoje professor de inglês e morando em Copacabana com Eric, de 46, a aprovação da união gay no Brasil é “um teste” e “algo mais difícil do que foi na Inglaterra”:

– O Brasil, além de ser um país mais populoso, é também mais religioso do que a Inglaterra. Então, acho que, para o Brasil, é uma decisão bastante progressista. A Espanha é um caso semelhante. Na África do Sul, foi algo reconhecido pela Constituição.

Há reconhecimento de direitos de casais gays em pelo menos 16 países atualmente. País também de tradição católica, a Espanha aprovou a união gay em 2005. Na época, a aprovação dividiu os espanhóis, e a Igreja Católica chegou a chamar a lei de “injusta”. Antes da Espanha, já tinham legalizado a união gay ou estendido a casais gays direitos de casais heterossexuais Dinamarca – que já em 1989 oficializava essa união -, Noruega, Suécia, Hungria, Islândia, Holanda, Austrália, Alemanha e Bélgica. Em seguida, viria o Canadá, também em 2005.

No mesmo ano, a Suíça se tornou o primeiro país do mundo a aprovar a medida por referendo popular. Em 2006, a união gay seria aprovada na África do Sul. Em 2010, veio Portugal. Nos EUA, o casamento homossexual é reconhecido em Connecticut, Iowa, Massachusetts, New Hampshire, Vermont, Rhode Island, Maryland e Nova York, além da capital federal.

Na América Latina, Buenos Aires legalizou a união gay em 2002; a Argentina se transformaria no primeiro país latino-americano a permitir o casamento homossexual em 2010. Em 2007, a Colômbia já tinha se tornado o primeiro país latino-americano a conceder direitos patrimoniais e de previdência a casais gays. Em 2009, a capital mexicana também aprovaria o casamento gay.

Fonte: O Globo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *