A homofobia está batendo à nossa porta

Por Alexandre Böer*

Se você pensa que é só na av. Paulista que isso acontece, está muito enganado. A cada dia, mais e mais casos brotam por todo o país. Só em janeiro foram registrados 36 assassinatos e no ano passado 260 mortes foram computadas pelo movimento LGBT, isso sem cortar as agressões que não resultam em mortes, mas causam dor, sofrimento, insegurança, cicatrizes que nunca curam e um sentimento de impunidade.

No último domingo, 5, o jovem Willian dos Santos, 20 anos foi assistir a um filme na última sessão de um cinema no bairro Cidade Baixa da capital gaúcha e quando se dirigia para casa, próximo da UFGRS dois rapazes começaram a xingá-lo de “viado”, o agrediram com socos e pontapés e ainda furtaram alguns objetos pessoais dele.

O resultado foi a perda de quatro dentes, lesões corporais graves, cortes e a perda dos sentidos. Os bandidos sequer levaram seu celular de última geração, o que comprova que os motivos que levaram à violência não foi para roubá-lo, mas sim, a homofobia, como consta no boletim de ocorrência registrado no Palácio da Polícia em Porto Alegre.

Quantos gays, travestis e lésbicas precisarão ter seus rostos desfigurados ou suas vidas ceifadas para que o Congresso Nacional aprove uma lei que torne a homofobia um crime, assim como o racismo?

Os índices estão crescentes e assustadores e esta população está cada vez mais vulnerável, além de estar sendo impedida de usufruir o direito de ir e vir livremente. É importante que se diga que este não é apenas um problema de segurança pública ou de falta de legislação, mas o Estado precisa estar mais atento e dar respostas urgentes e efetivas para combater estes crimes.

*Boer é jornalista, com especialização pela UFRGS em comunicação em saúde e coordenador de jornalismo SOMOS Comunicação, Saúde e Sexualidade

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *