30 anos de aids – Um passo pra frente e dois para trás


Por Alexandre Böer*

Desânimo! Hoje, este é o sentimento das organizações da sociedade civil no Rio Grande do Sul que trabalham pela promoção à saúde e na prevenção às DST/HIV/Aids e hepatites virais. Afinal, faz 30 anos que o vírus HIV foi descoberto no mundo e, embora grandes avanços tenham acontecido no âmbito dos tratamentos e pesquisas, no âmbito da prevenção, ainda há o fracasso.

Por aqui os dados são os piores do país. O último boletim epidemiológico publicado pelo Ministério da Saúde aponta que o RS tem a maior taxa de incidência (número de casos divididos por 100 mil habitantes), sendo de 47,5%. E, em Porto Alegre, então, nem se fala. São 172,1% . Récorde absoluto e vergonhoso no ranking nacional.

E, embora os dados sejam graves, nossos gestores estão sob a ameaça de não receber mais recursos do Governo Federal, pois demonstraram nos últimos anos que não aplicaram corretamente a verba federal ou não fizeram as devidas prestações de contas. E, se não conseguem administrar sequer os recursos dos repasses, é evidente que nem pensam em investir recursos próprios.

O Ministério Público e os Conselhos de Saúde já foram acionados diversas vezes pelas ONG; o DENASUS já fez auditoria e apontou irregularidades; assim como o Parlamento Gaúcho, que diuturnamente não aprova recursos mínimos para a Saúde, não fiscaliza seus municípios, não aprova emendas parlamentares para a área, nem cobra dos governantes políticas públicas para o setor, isentando-se de sua responsabilidade. Aliás, até mesmo uma Frente Parlamentar foi criada na Assembléia Legislativa, mas esvaziada e sem articulação, onde, por exemplo, na última reunião que trataria deste problema, sequer o presidente da mesma compareceu. Descaso e irresponsabilidade são a tônica.
Diante desse fracasso e omissão do Estado, a sociedade civil ainda berra, embora com a voz rouca e andar arrastado. Talvez, fruto dos 30 anos de luta, dos 30 milhões de mortes, mas ainda com esperança de que algo ainda possa mudar.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *