Pesquisa traça perfil da epidemia de HIV entre gays e homens que fazem sexo com homens

Resultado preliminar do estudo SampaCentro, apresentado durante o IX Congresso Brasileiro de Prevenção das DST e Aids, II Congresso Brasileiro de Prevenção das Hepatites Virais, VI Fórum Latino-americano e do Caribe em HIV/Aids e DST e V Fórum Comunitário Latino-americano e do Caribe em HIV/Aids e DST, traça um breve perfil da epidemia de HIV entre gays e homens que fazem sexo com homens que freqüentam a região central do município de São Paulo.

O estudo, realizado no centro da cidade de São Paulo entre novembro de 2011 e janeiro de 2012, é fruto da parceria entre a Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo e o Centro de Referência e Treinamento em DST/Aids, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo. “Trata-se de um estudo sobre comportamentos e práticas sexuais, acesso à prevenção do HIV e prevalência da infecção pelo HIV entre gays, travestis e homens que fazem sexo com homens que freqüentam espaços de encontro social nos distritos da Consolação e República, na região central do município de São Paulo”, explica Maria Amélia Veras, da Santa Casa. “Este estudo se propõe a reduzir as lacunas existentes no que se refere à informação e conhecimento a respeito da epidemia de HIV e aids entre esta população”, completa.

O universo do estudo foi composto por 1.217 participantes, e 778 deles concordaram em realizar um exame de sangue para realização de sorologia anti-HIV. Entre eles observou-se: 7,4% de soropositividade na faixa de 18 a 24 anos; 14,7%, 25 a 34 anos; 27,7%, 35 a 49 anos e 18,3% nos entrevistados entre 50 e 77 anos. Esses dados corroboram estudos brasileiros recentes que apontam a grande vulnerabilidade de adolescentes e jovens gays (homens que fazem sexo com homens) para a infecção pelo HIV.

Entre os entrevistados, 514 fizeram entre dois e cinco testes anti-HIV ao longo da vida e 167 nunca realizaram o teste até o momento da entrevista. A principal resistência em realizar o teste é o medo de descobrir-se soropositivo, seguido do medo da discriminação por ser portador de HIV/aids.

Para Gabriela Calazans, do Centro de Referência e Treinamento DST/Aids-SP, vinculado à Secretaria de Estado da Saúde, aparentemente a revelação da orientação sexual dos entrevistados está se dando mais precocemente, comparando com outras gerações, assim como sua exposição ao estigma e à discriminação. “É necessário enfatizar a importância/necessidade de políticas públicas e educação sobre HIV e outras DST entre jovens que estão iniciando sua vida sexual, para que seja possível conter a epidemia”, aponta a pesquisadora.

Dados do Ministério da Saúde (2012) apontam que houve aumento de 31.8% para 46.6% no número de novos casos no grupo entre 15 e 24 anos, entre 1998 e 2010. A prevalência da infecção na população geral brasileira é de 0.6%. “Concluímos que os HSH jovens são individual e socialmente vulneráveis ao HIV. A taxa de infecção é alta entre eles, especialmente considerando que eles tiveram apenas dois anos de vida sexual”, comenta Maria Amélia Veras. Segundo a pesquisadora, esses dados se assemelham ao panorama observado em países da América Latina.

A pesquisa também constatou que o preconceito e a discriminação estão presentes no cotidiano dos entrevistados. Entre os 1.217 participantes do estudo, 33.5% declararam terem sido maltratados em vários ambientes, 15.1% sofreram agressões físicas e 62.3% ofensa verbal. Agressões ocorreram na escola (31.6%), proveniente de professores e colegas; em casa (28.5%), no trabalho (19.6%) e por policiais em espaços públicos (16.4%). “A violência sexual foi declarada em 6% da amostra. A maior parte dos entrevistados é jovem, com 30.1% na faixa entre 18 e 24 anos e 38% entre 25 e 34 anos”, observa Gabriela Calazans, do CRT DST/Aids-SP.

A maioria dos participantes identificou a si próprio como homossexual (79.5%), 14.3% do total da amostra consideraram-se bissexuais, 2.8% heterossexuais; 0.7% transexuais e 1.3% travestis.

Verificou-se que entre o total de entrevistados, 1.103 assumiram sua homossexualidade diante dos amigos e 914 perante a família.

Em relação ao grau de instrução, 4.6% completaram o ensino fundamental; 29.9% ensino médio; 22.9% não concluíram o ensino superior; 29.4% completaram o ensino superior e 13% tem pós graduação. A maioria identificou-se como indivíduo de cor branca (58.8%), 10.2 como pretos, 24.9% como pardos, 2.4% asiáticos e 1% indígenas.

Percebeu-se que as principais fontes de informação dos entrevistados são a internet (564) e a televisão (208). “Os jovens HSH precisam de abordagens novas e originais para engajarem a si mesmos em práticas de sexo seguro. Precisamos promover ações e propostas inovadoras utilizando mídias sociais e sites específicos. Campanhas anti homofobia também são essenciais, para redução do preconceito e sensibilização em relação à diversidade”, aponta Gabriela Calazans.

Os entrevistados foram abordados em 92 lugares, entre eles casas noturnas, saunas, cinemas e na rua. Estes locais foram previamente selecionados. Para participar do estudo era preciso residir no estado de São Paulo, ser maior de 18 anos e ter tido relação sexual com outro homem.

O projeto foi contemplado com financiamento do Programa Pesquisa para o SUS, Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), Secretaria da Saúde do Estado de São Paulo, Ministério da Saúde e Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq).

Fonte: Agência de Notícias da Aids

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *