Orgulho e coragem na Uganda

Enquanto a Lei Anti-Homossexualidade de David Bahati circula pelo Parlamento da Uganda, ativistas LGBT tiveram a coragem de declarar seu orgulho em evento público que aconteceu no último fim de semana.

Após meses de preparação e mesmo enfrentando prisões, a população gay ugandense alcançou seus objetivos com eventos do Orgulho, que incluíram uma parada na praia, festas e um festival de cinema. A corajosa população encheu os eventos – a Uganda é um país que criminaliza atos sexuais entre pessoas do mesmo sexo e quer legalizar a pena de morte por “homossexualidade grave”, e longas penas para quem praticar a “promoção da homossexualidade”.

A comunidade internacional mostrou seu apoio à orientação sexual como um direito humano, com exemplos como o da Secretária de Estado dos Estados Unidos, Hillary Clinton, que visitou a Uganda na semana passada, quando homenageou e premiou um grupo de ativistas de direitos humanos.

A importância deste evento não pode ser subestimada. O fato de esses corajosos ativistas serem capazes de organizá-lo cercados por tanta perseguição é uma grande vitória para a comunidade. Essa visibilidade mantém o legado do falecido ativista David Kato, desafia o ódio e ajuda a conseguir o fracasso da lei de Bahati. É um exemplo de liderança para toda a África e, acima de tudo, mostra que a população LGBT da Uganda simplesmente se recusa a desistir de seu direito de vivenciar sua orientação sexual.

O mundialmente reconhecido e premiado ativista gay Frank Mugisha declarou, durante os eventos do fim de semana: “Não tivemos a chance de agradecer aos organizadores da parada e a todo o comitê. Palmas para todos vocês que fizeram isso acontecer. Da próxima vez, começarem nossa marcha da delegacia de polícia.”

Confira fotos!

(Fotos: David Robinson© 2012, c/o Melanie Nathan)

Da Redação, via Advocate

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *