ONG protesta na Semana de Moda do Rio contra falta de negros nas passarelas

Militantes protestaram contra não cumprimento de acordo que prevê 10% do casting para negros e índios (Foto: AFP)

Um protesto contra a ausência de negros nas passarelas brasileiras marcou o primeiro dia da Semana de Moda do Rio de Janeiro, na noite dessa quarta-feira. Reivindicando o direito de participar mais ativamente não apenas do mundo da moda, mas das artes e da cultura em geral, ativistas com os corpos pintados ou vestidos com roupas étnicas chamaram a atenção dos que participavam do evento mais importante da moda carioca e um dos principais da América Latina.

Ao grito de “Somos um país de negros”, os militantes da rede Educafro, organização que busca promover a inclusão da população negra e pobre no Brasil, protestavam pelo fato do afrodescendente não ter seu espaço preservado em um país onde 51% da população é negra ou mulata. “Temos uma carência enorme não só de negros, mas também de indígenas, pardos e das minorias como um todo nas artes. Queremos o direito de estar; estar nas universidades, nas passarelas, nos palcos… É muito claro como temos mais dificuldade de entrar no mercado pelo pouco espaço que nos dão”, afirmou Marco Rocha, ator de 26 anos e integrante do grupo, que protesta nas Semanas de Moda do Rio e de São Paulo há sete anos.

Os ativistas lembram ainda que um acordo que previa uma reserva de pelo menos 10% do casting dos desfiles para modelos de origem negra ou indígena, o Termo de Ajustamento de Conduta (TAC), não foi respeitado. O pacto foi firmado em 2009 entre o Ministério Público de São Paulo e a Luminosidade, empresa que organiza o Fashion Rio e a São Paulo Fashion Week, mas, segundo a Educafro, não há sinais de que a presença de negros tenha aumentado.

O estudante Renan de Carvalho, de 22 anos, defendeu que a manifestação tem como objetivo cobrar da sociedade melhores oportunidades para os negros.

“Queremos levar nossa situação para os olhos de quem quiser e de quem não quiser ver. Não vamos abaixar a cabeça. Nós, brasileiros, somos a segunda maior população negra do mundo, mas não temos nossos direitos garantidos”, criticou.

Fonte: Correio do Povo

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *