Ministério Público reabre inquérito sobre o Caso Olaria

A 6ª Promotoria de Justiça de Defesa dos Direitos Humanos do Rio Grande do Sul convocou o Coordenador Geral do SOMOS, Gustavo Bernardes, para investigar possível discriminação contra homossexuais, bem como o impedimento do ato de ir e vir de pessoas, nas dependências do Shopping Nova Olaria. O processo foi reaberto em face dos novos acontecimentos que foram noticiados pela imprensa.

Entenda o caso

Em abril, o proprietário do Cinema Guion do Shopping Nova Olaria, Carlos Schimidt, manifestou-se no Facebook contra a reunião de pessoas, principalmente homossexuais, que ocorre na frente do seu estabelecimento. O programa “Atualidade”, da Rádio Gaúcha, deu voz ao empresário, que expôs de forma homofóbica , preconceituosa e incorreta o que ocorre por lá. O SOMOS manifestou-se através de algumas das redes sociais que faz parte (Twitter, Facebook, Blog e Orkut). A instituição esclareceu que na verdade toda a mobilização do Sr. Schimidt é uma jogada de marketing para fazer com que o estabelecimento, que sofre com problemas de má administração há anos, ganhasse espaço na mídia. Depois de expostas as verdadeiras intenções dele, o SOMOS foi convidado a participar de diversos programas no Rádio e na TV, além de ter sido citado nos principais veículos de comunicação impressos e online, mostrando a solidez de sua argumentação. Em suas declarações, Carlos Schimidt afirma que “aberrações” se aglomeram na frente do Olaria praticando sexo, roubando carros e traficando drogas, o que não ocorre de fato. O SOMOS, com apoio da fundação holandesa Schorer, realiza acompanhamento da movimentação dos jovens há 3 anos e inclusive realizou uma pesquisa que mostra a verdadeira face da situação: a maioria dos adolescentes possuem ensino médio e é grande o número de estudantes do ensino superior, mostrando que as argumentações de que os jovens são desocupados é inválida. Na ocasião a ONG e a Brigada Militar do Rio Grande do Sul ainda esclareceram que procuram os proprietários do Olaria para tentar resolver o problema diversas vezes, mas o contato por parte dos comerciantes foi negado.

2 thoughts on “Ministério Público reabre inquérito sobre o Caso Olaria

  1. AS pessoas que frequentam este espaço devem se manifestar para esclarecer este caso. Acontecem mesmo agressões, furtos e impedimento de ir e vir? Eu não costumo ir no Olaria aos finais de semana então desconheço a situação.
    Obrigada!

  2. O SOMOS vem acompanhando há 3 anos a situação no Olaria. Garantimos que a situação não é como os lojistas apresentam. Prova disso é que, mesmo com toda a pressão, os adolescentes continuam no mesmo local pacificamente.

    Obrigado pelo comentário!
    Gabriel Arévalo / SOMOS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *