Escolas de Porto Alegre terão que normatizar nomes de travestis

O próximo período letivo terá mudanças no dia a dia dos estudantes das redes estadual e municipal da capital do Rio Grande do Sul. Ao menos daqueles que convivem com colegas transgêneros. A Smed (Secretaria Municipal de Educação) aprovou uma instrução normativa que estabelece que os professores deverão chamar os transexuais e travestis pelos seus respectivos nomes sociais. A medida vale, no entanto, apenas para alunos maiores de 18 anos ou menores que tenham a autorização dos pais.

Os nomes sociais estarão ao lado dos nomes de batismo no boletim, no histórico escolar e em outros documentos. A principal mudança, porém, é no momento do registro de frequência em sala de aula, em que os alunos transgêneros ficam constrangidos. “Alguns professores, na hora da chamada, de pirraça, chamam os alunos transgêneros pelo nome de registro. Isso gera mal estar, pois o aluno acaba sendo alvo de chacota”, diz Marcelly Malta, presidente do Igualdade RS, grupo que defende os direitos de travestis e transexuais.

 

Jovens travestis de Porto Alegre poderão agora utilizar seus nomes sociais nas salas de aula / Foto: Johan Ordonez/AFP

Conscientização 

Para combater essa prática, a Smed reforçou o trabalho de conscientização dos professores, já que não há qualquer punição prevista no projeto. Em 2011, a pasta promoveu um curso pioneiro na rede municipal, de 40 horas, específico sobre gêneros, homofobia e sexualidade. “A primeira parte era teórica. Depois, os professores levavam os assuntos discutidos para trabalhos em suas escolas. Foi muito bacana”, comemora Ângela Cardoso, assessora pedagógica da Smed e responsável pelo curso que formou 30 professores no ano passado e pretende abranger ainda mais em 14 de maio deste ano, quando começa a segunda edição.

A discussão sobre a homofobia enfrenta muitas dificuldades, como atesta a secretária Clecy Jurach. “Muitas famílias não aceitam o fato de seus filhos conviverem com transgêneros. Não é um trabalho fácil”, diz.

Fonte: Jornal Metro, de Porto Alegre

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *