Ativistas gays de 5 estados do Nordeste se reuniram em Recife para aperfeiçoamento das ações de prevenção em HIV e aids e direitos Humanos

Foto divulgação: Recife antigo

Nos dias 19 a 24 de março, realizou-se em Recife o quarto de sete cursos presenciais do Projeto Interagir.
O curso tem como objetivo promover a capacitação de militantes Gays e outros Homens que fazem Sexo com outros Homens (HSH) em ações de Advocacy (incidência política) e prevenção em HIV/aids entre gays e outros HSH, por meio de construção política públicas com cada tomador de decisão, nas três esferas de governo visando ainda, a conquista do tripé da cidadania LGBT: Coordenação, Conselho e Plano de promoção da cidadania e direitos humanos LGBT.

O curso está estruturado em duas partes: revisão dos conceitos de Advocacy e Prevenção da HIV/aids, e uma conversa com os tomadores de decisão. Sete tomadores de decisão e pessoas aliadas estiveram presentes durante o curso. Um deles foi Rildo Veras, assessor do governador Eduardo Campos (PSB-PE) para assuntos de Diversidade Sexual em Pernambuco. Rildo comentou que uma das propostas de ação da assessoria é o combate da homofobia institucional e a inserção da disciplina curricular especifica contra os preconceitos que algumas vezes se manifestam em ações da Policia Militar do Estado.

Além de Rildo, esteve presente o deputado estadual Daniel Coelho (PV). Na opinião do deputado, “é infrutífero pessoas LGBT e religiosos se enfrentaram como adversários, sem mesmo se conhecerem como pessoas. É preciso dialogar.” Com relação à família, o deputado afirma que “é preciso enfatizar que a família e homossexualidade nunca devem estar em contraposição, e sim dizer que família todos tem. Nós defendemos a família , qualquer família.”

Já o ativista Jair Brandão, da Articulação aids de Pernambuco, vê que o movimento LGBT é composto por diversos segmentos, cada um com suas especificidades . Mesmos assim, “o desafio é construir uma agenda política comum para que se possa ter mais força”.

Luciano Freitas, representando a Secretaria Estadual da Educação, falou da importância de ações como o Programa Saúde nas Escolas e o Programa Saúde e Prevenção nas Escolas no campo pedagógico, no sentido de sensibilizar para questões de diversidade sexual.

A psicóloga e técnica do Programa Estadual de DST e aids, Bethânia Cunha, esteve no curso, juntamente com Acciolly Neto, Coordenador Municipal de DST e aids de Recife. Deram ênfase à questão do viver com o HIV ou a aids e como é preciso se unir na luta contra o preconceito, inclusive por ser homossexual, a fim de conseguir avanços,

A discussão que entra no contexto de advocacy são pautas das leis atualmente abordadas em âmbito nacional como o Projeto de Lei da Câmara 122/06, que tem como meta criminalizar as diversas formas de discriminação, inclusive a homofobia. Ao mesmo tempo, aprovar leis estaduais e municipais, através das frentes parlamentares estaduais LGBT em cada assembléia legislativa, aumentar os recurso dos Planos de Ações e Metas (PAM) das Secretarias de Saúde para execução e implementação dos planos de enfrentamento da epidemia entre gays e outros HSH, ampliando o numero de ações e atividades voltadas a esta população, pois atualmente a porcentagem voltada aos gays e HSH é inferior a 5 % do orçamento.

A atividade está sendo executada na região nordeste 2 pela Associação Paranaense da Parada da Diversidade – APPAD e Instituto PAPAI, e conta com doze cursistas dos estados do Piauí, Pernambuco, Maranhão, Rio Grande do Norte e Paraíba. O projeto conta com o apoio da rede regional ASICAL – Associação para a Saúde Integral e Cidadania na América Latina e é financiado pelo Ministério da Saúde, Departamento de DST, aids e Hepatites Virais, além do UNODC e em parcerias nas cinco regiões do Brasil.

Os cursistas participantes foram selecionados a partir de um curso Virtual (via internet) sobre Advocacy e Prevenção. No curso presencial, aperfeiçoaram os planos de ação de prevenção e advocacy trabalhados anteriormente, passando por readequações para deixá-los mais próximos da realidade de cada estado/cidade. Segundo Alcemir Freire, Militante do Movimento do Espírito Lilás- MEL-PB, “Cursos como este facilitam nosso trabalho como militantes e sistematizam as praticas que já fazemos no nosso dia-a-dia nas questões de aids e Cidadania da população LGBT”.

Desde fevereiro até o momento, dois cursos foram realizados na região Nordeste, um na região Sul e outro na região Centro-Oeste. Ainda serão realizados em março e abril dois cursos na

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *