A cada dois minutos cinco brasileiras são maltratadas

O Brasil se converteu em exemplo a ser seguido em matérias como a luta contra a pobreza e a alfabetização, no entanto, mantém-se inalterado o quadro de violência contra as mulheres: 41.532 mulheres morreram no país através das mãos de seus parceiros ou ex-parceiros, entre 1997 e 2007.

Além disso, no país, cinco mulheres são gravemente maltratadas por homens a cada dois minutos, segundo o estudo “A mulher brasileira nos Espaços Públicos e Privados, realizado pela Fundação Perseu Abramo, vinculada ao Partido dos Trabalhadores(PT). Para esta pesquisa foram realizadas entrevistas com 2.365 mulheres e 1.181 homens com idades superiores a 15 anos, em 25 Estados do país.

“Os dados revelam que a violência contra a mulher não é só um problema privado do casal, mas social, por isso é necessário que tenhamos políticas públicas”, afirma Gustavo Venturi, professor da Universidade de São Paulo -USP e supervisor do estudo. Uma das conclusões da pesquisa é que no Brasil 7,2 millhões de mulheres maiores de 15 anos foram agredidas gravemente pelos homens,sendo que 1,3 milhões delas foram feitas 12 meses antes da realização deste estudo.

Já o Instituto Zangari, que publicou no final do ano passado o Mapa da Violência no Brasil, que traz dados no Ministério da Saúde, é possível saber, também, o número de mulheres que foram assassinadas por seus companheiros ou ex-companheiros nesse mesmo período.

Entre 2001 a 2010 teve uma pequena disminuição destes casos, que os investigadores atribuem, em parte, a lei Maria da Penha, chamada assim por ser considerado um caso simbólico de violência doméstica, em vigor desde setembro de 2006 e que pune com penas severas os agressores.

8% dos homens pesquisados reconhece ter agredido pelo menos uma vez na vida, uma mulher e 48% disse ter algum amigo ou conhecido que agride fisicamente sua mulher, o que, para Venturi, “permite deduzir que o número de homens que admitem agredir está subestimado. Ao final, a metade conhece alguém que faz”. O Brasil registra uma das taxas de assassinatos de mulheres mais altas do mundo, com uma porcentagem de 4,2 mulheres assassindas para cada 100 mil habitantes. Na Europa esta cifra não supera 0,5%.

Fonte: El Pais.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *