Ingestão de alimentos gordurosos causa efeito ‘similar ao da maconha’, diz estudo

Não estranhe qualquer semelhança com o científico nome de ‘cannabis’, acontece que cientistas norte-americanos descobriram que quando comemos alimentos gordurosos o organismo humano produz uma substância um tanto ‘prazerosa’. É a tal da ‘endocanabinóide’, uma espécie de lipídio biologicamente ativo que possui efeito semelhante ao da maconha.

De acordo com a pesquisa, o processo todo começa quando a gordura ainda está na língua, que gera um sinal nervoso que vai ‘viajando’ do cérebro até o intestino, onde os ‘endocanabionóides’ são produzidos. Lá, a substância provoca uma onda de ativação celular que resulta em um desejo desenfreado de comer batata frita com refrigerante e chocolate, também conhecido como ‘larica’.

”Nós sabemos que comidas gordurosas podem ter um um bom sabor, mas os mecanismo moleculares e sinais por trás dessa resposta eram desconhecidos. Agora sabemos que comidas gordurosas geram um sinal na língua que leva o intestino delgado a produzir as substâncias químicas conhecidas como ‘a maconha natural do corpo humano’, que induzem ao consumo de gordura”, afirma a líder da pesquisa Daniele Piomelli, à BBC.

Segundo a conclusão dos cientistas envolvidos no estudo, a descoberta pode indicar novos caminhos para conter doenças e suas variações como a obesidade e o colesterol alto. O estudo aponta para alternativas como o uso de medicamentos que interrompam o estímulo provocado pelo ‘endocanabinóide’, podendo assim conter a ingestão compulsiva de alimentos gordurosos.

Para aumentar ainda mais a aplicabilidade dos resultados da pesquisa, os medicamentos a serem usados não resultam em efeitos colaterais geralmente causados quando a tal substância ‘prazeirosa’ é bloqueada. “Como tais drogas bloqueadoras não precisam penetrar no cérebro, elas não teriam porque causar efeitos colaterais, como ansiedade e depressão, que surgem quando a ação endocanabinóide é bloqueada no cérebro”, conta Piomelli.

Com informações do jornalista Guilherme Ribeiro, da MTV

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *