Porto Alegre: Segue em cartaz na Sala Álvaro Moreyra, Clube do Fracasso

Priscila, Marina, Francisco, Lisandro e Heinz
A trilogia festiva dá continuidade à investigação de uma linguagem e uma metodologia estruturadas sobre o que a diretora Patr´cia Fagundes convencionou chamar de ética da festividade na criação cênica. (Este é também o título da tese defendida por ela, em março de 2010  em doutorado realizado na Universidade Carlos III de Madri – bolsa CAPES – em um constante diálogo entre teoria e prática, reflexão e experiência criativa). 
Uma ética do encontro e da diversidade, que celebra o corpóreo, o prazer e o próximo, aceitando o caos e a turbulência como parte de uma existência complexa e multidimensional. Desde tal perspectiva, ética e estética não são forças opostas, e sim indissociáveis. Todo procedimento e poética artística nasce de um conjunto de opções que implica uma relação particular com o mundo e com o outro: opções éticas.
O teatro parece oferecer um espaço propício para a experiência do próximo, criando microterritórios de sociabilidade que acontecem em, com e entre os corpos de seus habitantes nômades, com a potencialidade de carnavalização do mundo, provocando situações de desequilíbrio que podem conduzir a novas organizações. 
Teatro como experiência, como dispositivo de conexões, como máquina que provoca e administra encontros. É importante observar que a noção de festividade reconhece a dolorosa dificuldade de conviver com o outro, de negociar com a diferença e com a sombra: não se trata aqui de uma tentativa de evasão, e sim do desafio de celebrar o prazer na relação com o mundo e com o outro, a capacidade de dançar no caos. Entendemos o prazer como um vetor de resistência que cria linhas de fuga; a festa como uma forma de negociar com a morte e reinventar o mundo. Assim, nada mais natural que a proposta de uma Trilogia Festiva se aventurasse em zonas obscuras como  o fracasso, a morte e o caos.
A trilogia propõe a montagem de Clube do Fracasso, 21 Maneiras de Encontrar a Morte e Caóticas. Todos partem de um roteiro aberto desenvolvido em sala de ensaio, promovendo a criação de nova dramaturgia através de uma metodologia colaborativa. Uma dramaturgia para nosso tempo, que se faz da composição de fragmentos, relatos, sensações, experiências partilhadas e também de conceitos e referências teóricas, evocando a necessidade constante do exercício de uma razão sensível. Além da apresentação de espetáculos, o projeto promove oficinas, ensaios-abertos, debates com diferentes públicos, intercâmbios de idéias e práticas de criação, no exercício constante de convivência, contágio e circulação de desejos que a experiência artística possibilita.
Clube do Fracasso abriu suas portas em 2010 e recebeu o Prêmio Açorianos de melhor espetáculo pelo juri popular e Prêmio Açorianos de Dramaturgia. O elenco é composto por Heinz Limaverde, Marina Mendo, Lisandro Bellotto, Francisco de los Santos e Priscila Collombi.

Agora, o espetáculo está em cartaz na Sala Álvaro Moreyra,  (Av. Érico Veríssimo, 307), em Porto Alegre, somente aos sábados e domingos às 21h

As próximas montagens estão previstas para 2012 e 2013.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *