Eu me curto, eu me cuido

adesivo2Entre as diversas ações realizadas pelo SOMOS – Comunicação, Saúde e Sexualidade, este ano a ONG desenvolveu o projeto Conexões: interações entre Saúde, Juventudes e Sexualidade, com apoio da Secretaria Municipal de Saúde de Porto Alegre. Focado em ações de comunicação, tanto na internet quanto no campo comunitário no bairro Restinga, na zona sul de Porto Alegre, o objetivo do projeto é promover a redução de novos casos de HIV/aids, com foco na promoção à saúde, entre a população jovem, atualmente uma das mais vulneráveis à epidemia. Além disto, segundo dados oficiais disponibilizados pela Secretaria Municipal de Saúde, Porto Alegre é a capital brasileira com mais incidência de casos de aids e, o bairro Restinga, um dos mais afetados.

Conexões foi desenvolvido propondo dialogar sobre sexualidade, sexo e prazer, com adolescentes e adultos jovens de forma clara e direta, produzindo significados e fugindo de conversas moralistas e culpabilizantes. Seguindo essa lógica, na internet foi desenvolvida uma campanha e um site que discutem prevenção e saúde de uma forma mais informal falando sobre prazer e cuidado de si, além de incluir informações sobre práticas sexuais protegidas, mitos e acesso à direitos, numa linguagem menos careta.

Desde o início do ano, vêm sendo produzidas diversas ações dentro do projeto. Nos primeiros meses, foi realizado um mapeamento e um levantamento das necessidades do bairro a fim de compreender as demandas e perfis de jovens moradores do bairro e de profissionais e educadores que atendem , principalmente em serviços públicos, esta população. Nesta primeira etapa, o SOMOS participou das reuniões de Rede (espaço que reúne vários serviços e instituições no bairro), buscando o estabelecimento de laços com a comunidade e com os serviços oferecidos, como Unidades Básicas de Saúde (UBS), Centro de Referência em Assistência Social (CRAS) e escolas, buscando conhecer mais da realidade da população.

adesivo1Através de entrevistas e percepções sobre a experiência de se deslocar e conviver no bairro, identificou-se o funk como linguagem estética, vindo a ser adotado como linguagem central nos elementos de comunicação visual da campanha.A potência do funk foi percebida como um elemento cultural que se comunica de forma direta e aborda prazer, principalmente em suas letras de sentido duplo. Após esse mapeamento, estudantes das instituições visitadas foram convidados a participar de oficinas de criatividade para criar, inspirados por refrões de funk, mensagens positivas sobre sexualidade e saúde,o que resultou na criação de uma série de sete adesivos personalizados. O funk se tornou uma peça chave para a campanha por falar de sexualidade e prazer de forma direta e ousada, sendo um novo elemento de aproximação entre público participante e projeto.

Além disso, dentro da campanha foram desenvolvidos materiais informativos como os cartazes que foram instalados nas linhas de ônibus da Restinga e serão distribuídos nas sedes dos serviços públicos do bairro, em espaços de grande circulação e espaços de sociabilidade. Também foram criados, pensando nos/as espaços de atendimento da população jovem em serviços públicos, uma série de três guias temáticos em educação, saúde e direitos humanos para profissionais dessas áreas.

Esta primeira fase do projeto se encerra em ações de blitz, entre os dias 27 e 31 de outubro, momento em que a campanha produzida será lançada com distribuição de kits gratuitos, compostos por preservativos, gel lubrificante e adesivos para a gurizada usar como desejar, com muito prazer, se curtindo e se cuidando.