Ativismo e militância está na agenda da semana. Junte-se a nós!

A semana começa agitada. Além do segundo encontro do projeto “Elos”, promovido pelo SOMOS Comunicação, Saúde e Sexualidade para as organizações que trabalham com penas e medidas alternativas em Porto Alegre, que irá proporcionar às entidades que fazem parte desta Rede Social um debate com o professor José Vicente Tavares dos Santos (foto ao lado) , do IFCH – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas da UFGRS, e que coordena o Grupo de Violência e Cidadania da Universidade, temos muitas outras atividades de formação, ativismo e cultura.

A primeira acontece no hotel Embaixador, a partir das 8h30min, nesta segunda-feira, 17 de maio, em Porto Alegre, sob a coordenação de Gustavo Bernardes, do SOMOS. No mesmo dia, as 17h, irá acontecer o I Encontro Municipal Contra a Homofobia, na Casa de Cultura Lufredina Araújo Gaya, no Centro de Esteio, na Região Metropolitana de Porto Alegre e o SOMOS estará participando da mesa, a convite da Coordenadoria de Igualdade e Direitos Humanos, da cidade.

Na quarta-feira, 19 de maio, a partir do meio-dia os Grupos LGBT da cidade unem-se em frente à Igreja da Matriz, para realizar manifestação e protestar contra as polêmicas declarações da Igreja Católica, que associam a homossexualidade à pedofilia e que agora publicam um texto para coibir o ingresso de padres no sacerdócio. “Queremos demonstrar nossa insatisfação com a tentativa da Igreja vincular um ato criminoso – a pedofilia – com os homossexuais. As frases de Dom Dadeus reforçam o preconceito e criam um ambiente social propício à homofobia”, afirmou Gustavo Bernardes, , Coordenador Geral do SOMOS, em entrevista à Zero Hora, publicada no último sábado.

Ainda no dia 19, mas às 19h30min na Universidade Federal de Ciências da Saúde, de Porto Alegre o jornalista Alexandre Böer, do SOMOS, estará comentando o filme argentino “XXY” sobre transexualidade. O filme será exibido gratuitamente e, após a sessão, haverá um debate.

Em Brasília, no Distrito Federal, grupos LGBT de todo o país unem-se para marcar a data do dia 17 de Maio – Dia Internacional de Combate a Homofobia. Eeste ano a data terá uma programação especial para os milhares de militantes que lutam pelos direitos humanos e cidadania de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais – LGBT de nosso país.

Por meio de um conjunto de atividades que vão de 17 a 19 de maio, a Associação Brasileira de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais- ABGLT, da qual o SOMOS é associado, irá realizar uma grande mobilização social que culminará com a I Marcha Nacional contra Homofobia e I Grito pela Cidadania LGBT. Tudo para lembrar o dia 17 de Maio de 1990, que marca a retirada, pela Organização Mundial de Saúde, da homossexualidade da classificação internacional de doenças.

Nos dias 17 e 18 de maio, a juventude da ABGLT, em parceria com os movimentos estudantil e juvenil, realizará um seminário na Universidade de Brasília – UnB, que tem o tema “UnB fora do armário!” O objetivo é debater vários temas relacionados às questões LGBT e à interface com os movimentos sociais das quais a juventude participa, além de denunciar os constantes casos de homofobia que vêm acontecendo nas universidades.

No dia 18 de maio, também em Brasília, acontece o VII Seminário de Lésbicas, Gays, Bissexuais, Travestis e Transexuais no Congresso Nacional, que tem o tema: “Direitos Humanos de LGBT: Cenários e Perspectivas”. O Seminário é promovido pelas Comissões de Legislação Participativa, Direitos Humanos e Minorias, e Educação e Cultura, da Câmara dos Deputados, em parceria com a ABGLT.

Já no dia 20 de maio, quinta-feira, em Porto Alegre, o SOMOS – Ponto de Cultura LGBT estará promovendo às 19h na Sala P.F.Gastal o pré-lançamento do filme “Positivas”. Na ocasião haverá a exibição deste documentário de longa metragem, onde sete mulheres soropositivas infectadas por seus parceiros em relacionamentos estáveis contam sua trajetória de vida.
Logo após, a diretora Susanna Lira e Maria Medianeira Gonçalves, uma das protagonistas, falarão sobre o trabalho.
Este documentário aborda de forma direta e clara os principais fatores da feminização da aids no Brasil.

Participe!

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *