Ameaças contra gays assustam estudantes de medicina de Porto Alegre

Alunos da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre receberam ameaças.

Logo após a recente eleição do Centro Acadêmico da Universidade Federal de Ciências da Saúde de Porto Alegre (UFCSPA), que teve como vencedora uma chapa liderada por dois estudantes abertamente homossexuais, iniciou um movimento de enfrentamento e retaliação contra os mesmos, incitando o ódio, além de propor um “atendimento diferenciado” aos pacientes homossexuais nas práticas médicas.


Diversas mensagens anônimas com caráter homofóbico foram enviadas para um e-mail coletivo utilizado por alunos da turma AD2014 da Universidade. Em um dos textos, o suposto aluno afirma:

“Caros e futuros colegas, e se, somente se, a solução fosse cada um de nós, sensatos, tomarmos alguma atitude, qualquer atitude, no momento em que essa escória nos procurar para curar suas doenças venéreas, e qualquer demais praga que se alastre por seus corpos nojentos? Assim como eles, está na hora de unirmos forças e veladamente, fazer o que nos couber, para dar fim, pouco a pouco nesta peste!”

Ao final do texto ainda há um apelo:

“No momento da consulta de uma bicha, ou recuse-se (pelos meios cabíveis em Lei) ou trate-o erronemanente!!!”

Com bases nestas informações o Grupo SOMOS – Comunicação, Saúde e Sexualidade irá protocolar no próximo dia 10 de dezembro (sexta-feira), às 15h  junto ao Dr. Francesco Conti, Coordenador do Centro de Apoio de direitos Humanos do Ministério Público Estadual (Av. Aureliano de Figueiredo Pinto, 80) esta denúncia e solicitará providências. Na oportunidade estarão presentes os alunos Igor Rabuske Araújo, 21 anos e Alex Vicente Spadini, 19 anos, ambos gays e eleitos para direção do Centro Acadêmico 22 de março, da UFSCPA.

“É intolerável que, em dias atuais, universitários tenham um posicionamento tão retrógado e ameacem colocar em risco a segurança e a saúde de homossexuais. Isso demonstra, também, que é urgente a aprovação de uma legislação federal que coíba essa prática homofóbica”, afirma Gustavo Bernardes, coordenador geral do SOMOS.

11 thoughts on “Ameaças contra gays assustam estudantes de medicina de Porto Alegre

  1. Recebi o site desse blog no e-mail da minha turma e tenho que afirmar que gostaria muito de me fazer presente no momento dessa atitude que ocorrerá dia 10.

    É inadmissível que ESTUDANTES da área da saúde pensem dessa maneira.
    Como pode, em pleno século XXI, pensar que somente os homossexuais podem contrair doenças venéreas?? Creio que tem muito aluninho de medicina que perdeu algumas aulas de patologia ou desconhece as formas de contaminação das mesmas.

    Eu tenho receio de precisar de um atendimento médico e ser (infelizmente)atendida por uma criatura que pensa como esses citados no texto acima.

  2. Bem, essa é uma questão bem interessante. Pessoas que assumem uma postura homofóbica, em sua maioria são incapazes de revelar seu próprio nome. Ameaças deveriam ter nome, CPF e endereço. É muito simples falar sem se identificar, isso qualquer um pode fazer, ou melhor, qualquer covarde faz. Na nossa opinião, pessoas que se preocupam com a sexualidade de outras pessoas tem dúvidas sobre a sua própria sexualidade, caso contrário isso não teria nenhuma importância em suas vidas. Isso é coisa de quem não tem o que fazer.

  3. Coisa linda! Como se algum médico disposto a tratar alguém "erronemamente" fosse capaz de fazer o contrário…

    VSF!

  4. um absurdo
    não tem como ver daonde foi enviado o email? (pc e usuario, no caso se foi na biblioteca da UFCSPA)

  5. É lamentável que uma universidade como a UFCSPA tenha alunos assim! Faço parte desta universidade e sinto-me envergonhada diante desse acontecimento. Na verdade os alunos da medicina não tem apenas preconceitos homofóbicos, mas também preconceito com os outros cursos da faculdade, aos quais denominam sub-cursos. Mas certamente eles não aprederam tudo isso sozinhos, eles são motivados pelos próprios professores do curso de medicina a se acharem melhores do que os outros.

  6. A mãe destes imbecis violentos, deveriam envergonhar-se de parir tremendas escorias humanas. Pedir perdão a DEUS por servir de passagem para encarnar estes entes, cujo destino sera enfernizar pessoas do bem. Meus respeitos a todos que lutam por direitos de minorias. Obs. Não sou homosexual, mas tenho amigos e respeito muito.

  7. Lamentável!
    Está na hora de mudarmos os itens a serem avaliados para alunos se formarem.
    Aspectos morais devem ser considerados também.
    Esses homo fóbicos não podem receber o título de Médico.

  8. Este problema não é da UFCSPA, tanto que dois homo sexuais foram eleitos para presidirem o centro acadêmico.
    O problema está naqueles que fazem descriminação.
    E isso vale para ambos os lados: que os homo e os hetero sexuais deixem de valorizar as pessoas pela suas orientações sexuais.

  9. Sheila,
    Nós do SOMOS acreditamos que o problema é sim da UFCSPA. Não existem disciplinas que tratem de Direitos Humanos nos cursos da Universidade e os alunos não são preparados para lidar com a diversidade. Fora isso, a reitora simplesmente encaminhou o caso para a polícia e ignorou a necessidade de educação destas pessoas.

    Abraços,
    Gabriel Galli / SOMOS

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *