6º Congresso de AIDS e as novas tecnologias de prevenção

aids

O 10º Congresso da Sociedade Brasileira de DST e o 6º Congresso Brasileiro de Aids ocorre até amanhã, dia 20/05, na cidade de São Paulo. As discussões são necessárias e urgentes. Veja que, na tentativa de frear a epidemia entre os jovens, o Departamento Nacional de DST/HIV/Aids/HV  tem investido em diferentes frentes, como no cumprimento da meta 90, 90, 90 do Programa das Nações Unidas –essa meta da ONU consiste em 90% das pessoas com HIV diagnosticadas, desses, 90% em tratamento e 90% com carga viral indetectável -; o incentivo ao diagnóstico precoce; novas tecnologias de tratamento e prevenção.

Só nos resta saber como as pessoas diagnosticadas com HIV/aids serão absorvidas pelo sistema, visto que existe uma tendência nacional em afirmar que “não existe dinheiro” na/para a saúde pública no Brasil!

Leia abaixo a matéria da Agência Aids:

As novas tecnologias de informação e comunicação são importantes aliadas na luta contra a aids entre jovens. Essa foi uma das conclusões do debate sobre prevenção do HIV e outras DSTs entre jovens gays, durante o 10º Congresso da Sociedade Brasileira de DSTs e 6º Congresso Brasileiro de Aids.

O militante Diego Callisto, da Rede de Jovens Vivendo com HIV, contou que tem aproveitado os espaços virtuais para esclarecer, por exemplo, dúvidas sobre PEP (profilaxia pós-exposição).

“As pessoas já sabem que sou HIV positivo e aproveitam para me incluir em grupos de ‘pegação’ no Facebook, no Whatsapp, viber… Sempre me bombardeiam com várias perguntas sobre a doença, também aproveito o espaço para falar sobre a importância da prevenção”.

O jovem tem virado uma espécie de conselheiro daqueles que se expõem ao HIV e não sabem o que fazer. “Recentemente um garoto de 16 anos me procurou porque transou sem preservativo e descobriu que o parceiro tinha HIV. Indiquei imediatamente a PEP, ele foi ao serviço, tomou o medicamento por 28 dias e negativou para o HIV. O desfecho desta história poderia ter sido outro.”

Assim como Diego, o assessor técnico do Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais, João Geraldo Netto, acredita que as novas ferramentas de comunicação são o principal meio de diálogo entre os jovens. “Nós, do Departamento, estamos mudando a linguagem nas campanhas e formando novos jovens líderes para trabalhar contra o HIV. A prevenção entre pares (de jovem para jovem) é mais fácil.”

Coube ao psicólogo Eduardo Honorato, de Manaus, falar sobre prevenção do HIV no mundo dos aplicativos. Ele é doutor em saúde da mulher e da criança e mantém pesquisas sobre comportamento, cibercultura e educação em saúde.

Para ele, o foco não deve ser o aplicativo. “As coisas na internet são muito rápidas e os aplicativos vão se moldando. O ideal é investir na mensagem e aproveitar as oportunidades. Tenho certeza de que um famoso virtual consegue atingir mais um jovem do que uma campanha de 30 segundos na TV Globo. Não podemos mais pensar em comunicação entre jovens por meio da TV,  muitas pesquisas já comprovaram que eles estão inseridos neste mundo virtual e se não adequarmos nossa linguagem nunca vamos estabelecer o diálogo com esse publico.”

O debate aconteceu na tarde de segunda-feira (18), em São Paulo e integra a programação do 10º Congresso de DST e 6º Congresso de Aids.

Serviço:

10º Congresso da Sociedade Brasileira de DST e o 6º Congresso Brasileiro de Aids

De 17 a 20 de maio

Hotel Maksoud Plaza

Alameda Campinas, 150 – Bela Vista São Paulo

Fonte: http://agenciaaids.com.br/home/noticias

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *