Estréia hoje o filme "Quebrando o tabu"

Quebrando o Tabu pertence a uma nova classe de filmes brasileiros que surgiram como uma espécie de reação a Cidade de Deus (Tropa de Elite começou essa linhagem): a de que os traficantes não são heróis. Isso não fica explícito no filme, mas é uma sensação nítida conforme os depoimentos vão se sucedendo. “O tabu está sendo quebrado de várias maneiras. Antes, patrocinadores como Telefonica e Santander dificilmente participariam de um projeto como esse”, comenta Andrade.

O documentário do cineasta Fernando Grostein Andrade não traz uma grande novidade em relação à discussão da sociedade brasileira sobre drogas, mas traz uma nova maneira de falar sobre o assunto, ancorada pelo sociólogo e ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso. “A sociedade é conservadora, precisamos estimulá-la a discutir”, resumiu FHC.

Fernando Henrique entrevista Drauzio Varella no Carandiru
Com depoimentos dos ex-presidentes dos EUA, Bill Clinton e Jimmy Carter, Paulo Coelho, Gael Garcia Bernal e Drauzio Varella, entre outros, o filme, conduzido por FHC, trata sobre como os países estrangeiros (especialmente os europeus) estão lidando com as drogas. Métodos que vão contra as políticas de repressão e adotam uma linha mais social e de saúde.

E ele está coberto de razão ao falar disso e seu argumento fica mais interessante ainda quando gente como Bill Clinton e a Ruth Dreifuss admitem seus erros em algumas decisões sobre drogas. O próprio FHC diz que não tinha tantas informações sobre o assunto antes de começar o filme. Mas a entrevista que mais chama a atenção é do ex-presidiário Anthony Pappa, que originou o slogan do filme: “Se não conseguimos acabar com as drogas dentro de uma prisão de segurança máxima, como podemos acabar com elas em uma sociedade livre?”.

Os Fernandos

A parceira entre FHC e Fernando Grostein Andrade começou bem antes do filme ir a cartaz, cerca de três anos atrás, quando Fernando, o diretor, fez o contato através de amigos em comum. “Depois disso, eu caí na conversa”, diz FHC. Fernando rebate: “não foi tão fácil assim, tive que apresentar pra ele uns nove argumentos”.
Vale lembrar que, atualmente, FHC é presidente da Comissão Global de Política sobre Drogas, órgão independente que reúne políticos do mundo inteiro para uma nova discussão sobre o combate a substâncias ilícitas.
A produção do filme também conta com Luciano Huck e o filme estreia hoje, dia 3 de junho. Uma boa pedida para quem se interessa pelo assunto.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *